1968. Ricky Desmond não era louco. No entanto, já havia estado em lugares para rapazes instáveis antes. Mas, dessa vez, seria diferente. Quando cruzou a porta daquele prédio de brancura quase imaculada, um frio cortante percorreu seu corpo – como um aviso. As grades do Brookline indicavam o quanto seria difícil fugir daquele manicômio. Não era justo ele estar ali.

A enfermeira Ash era a responsável por cuidar de seu tratamento, a bondade dela contrastava com a figura horripilante do diretor Crawford.

Havia algo em Ricky que chamou a atenção do médico. Algo especial que o diferenciava dos outros. O diretor o escolheu. Era o começo de tudo. Ele seria o Paciente Zero. Diziam que isso era bom, mas o jovem desconfiava. Além disso, os gritos de dor que vinham do porão do hospital e seus pesadelos frequentes só o faziam temer por sua sanidade.

Com a ajuda de Ash e de uma amiga especial, Ricky tentará desesperadamente voltar para casa. Ele precisa escapar do Brookline antes que loucura devore a sua mente. Nesta prequel de Asylum, Madeleine Roux criou uma trama instigante que trará uma nova legião de fãs e, ao mesmo tempo, fará importantes revelações para os leitores já envolvidos com a série.

Deixe um comentário