Sou Carolina Ferraz, beirando meus trinta anos. Vivo para meu trabalho, advocacia é minha vida. Viver no Campo jamais me passou pela cabeça, pra mim quem gosta de mato é cavalo.


Agora imaginem o meu martírio quando descobri que meu pai havia deixado de uma fazenda para um matuto caipira, conhecido como Henrique Brandão, a primeira vez que o vi, meu queixo caiu. Músculos suados, corpo bronzeado, a barba escura por fazer, o chapéu de peão na cabeça. Bastou que o ogro insuportavelmente lindo abrisse a boca para eu odiá-lo a primeira vista!


Carolina Oliveira . Advogada,rica mimada e fútil.
Henrique Brandão- fazendeiro, bruto, teimoso e irresistível.
O encontro desses dois não poderia ser mais explosivo.

Deixe um comentário