Maurício não é o tipo de homem que acredita em destino até o momento em que ele vê todo o seu passado personificado na forma de uma mulher: Débora. Alguém a quem ele costumava odiar, mas só por querê-la tanto e ser invisível aos seus olhos.

Um encontro inusitado após vários anos traz a prova de que ele nunca deixou de querê-la, mas junto a esse sentimento, outro entra em jogo: o desejo de se vingar; o desejo de fazê-la sentir o que ele sentiu por sua causa durante tanto tempo. Ele deduz que não será muito difícil, já que, ao vê-la, percebe que a vida se encarregou de uma parte de sua "vingança".

Contudo, Maurício sente seus planos irem por água a baixo quando aquela paixão há tempos adormecida se torna ainda mais forte do que ele jamais sentiu, principalmente após conhecer profundamente a mulher que Débora se tornou, em vista da adolescente que foi.

O que valerá mais a pena? A satisfação da vingança? Ou simplesmente seguir em frente com a mulher que ele nunca deixou de amar?

Deixe um comentário