Emocionante e sensível será o diálogo entre Maria, uma adolescente carioca, e você, leitor. Vítima de abandono e tortura sexual, a personagem narra detalhes impactantes sobre sua trajetória de vida, além da luta que enfrenta para superar o passado cruel e recomeçar. De origem humilde e de uma comunidade do Rio de Janeiro, Maria sofreu abuso sexual do padrasto desde criança. Aos 12, a mãe dá a ela um prazo de dois anos para sair de casa. 

Abandonada, aos 14, grávida de um filho que não desejou, fruto das torturas sexuais, Maria é jogada a própria sorte. "Com a barriga vazia de comida e cheia de uma criança que eu não queria, perambulei por horas pelas ruas do Rio de Janeiro, sem saber que rumo dar a minha história. Foi triste e humilhante. Passei o meu aniversário na rua, sem roupa, sem comida, sem dinheiro e sem nem um fio de esperança." Mas, afinal, como aceitar a gravidez e um filho advindo de violência sexual e de anos e anos de abuso e tortura? Maria e Eu é uma história ficcional inspirada em situações reais, e apesar da acidez do tema, traz uma mensagem de esperança, em especial às pessoas que vivem ou já viveram em situação de tortura.

Com uma linguagem acessível e envolvente a obra expõe, com muita delicadeza, a trajetória de uma adolescente, vítima de sofrimento motivado pelo abandono afetivo e social, que favorece a brutalidade e a selvageria. Ao abordar a violência contra a mulher, contra a criança e ao adolescente, Vanda Amorim procura tocar o coração das pessoas e ao mesmo tempo fazê-las refletir sobre essa intrincada realidade.

Deixe um comentário