O mundo do pequeno Arthur Domachescky se tornou mais vivo e alegre quando sua pequena prima Eva, nasceu. 
Assim que soube de sua existência, sentiu em seu coração que deveria estar ao lado dela e protegê-la de todo o mal. Seu próprio tio, pai de Eva, lhe deu essa responsabilidade e ele estava preparado. 

Só não sabia que seu amor de primo se tornaria algo tão grande e significante em seu coração. 
Para Eva, Arthur era um príncipe protetor. Desde cedo do seu lado, ela se sentia segura e feliz, tendo o primo para brincar e lhe ensinar as músicas que eles tanto amavam. Mas, no começo da adolescência, ela percebeu que algo estava acontecendo. 
Não o via apenas como o seu primo e melhor amigo. 
Via-o como o amor da sua vida. 

Se amavam e sabiam disso. Mas eram primos e aquele sentimento era proibido. Como poderiam lutar contra uma barreira tão forte, contra o sangue em suas veias, que os uniam? 
Como poderiam viver aquele amor puro, que sentiram assim que se viram pela primeira vez? 
Será que seriam fortes o suficiente para encarar o doce amor que o destino preparara para eles? 

Deixe um comentário