Há anos um grupo separatista da região de Barba, em Portugal, explode bombas ao redor do mundo como estratégia para conseguir a sua independência. A comunidade internacional vive aterrorizada com os atentados implacáveis e imprevisíveis e a autodeterminação de Barba é um dos temas centrais e mais quentes da política mundial. A capital, Cinzeiro, abriga jornalistas de toda parte, entre eles o recém chegado Edgar Kellogg – advogado bem-sucedido que trocou a carreira em Nova York pelo entusiasmo e a imprevisibilidade do jornalismo.

Hostilizado na infância por ser gordo, construiu uma idolatria por personagens magnificentes. Quando lhe oferecem uma vaga de correspondente em Barba, península ficcional de Portugal onde surgiu um movimento terrorista, Edgar não hesita. Enviado para substituir o excepcional repórter desaparecido Barrington Saddler, o novato reconhece nesse homem grandioso a figura que deseja imitar. Lionel Shriver montou em Barba um cenário de guerra fictício, porém não inverossímil.

Com uma trama criativa, personagens muito bem construídos e diálogos inteligentes, a autora trata com perspicácia de temas como terrorismo, política, jornalismo e o culto ao indivíduo, demonstrando mais uma vez por que é considerada umas das escritoras mais interessantes da atualidade.

Deixe um comentário