Com o colapso dos recursos naturais, a humanidade foi obrigada a lutar por sua sobrevivência, e após a Terceira Guerra Mundial e uma reestruturação social, o Reino de Cosmus surgiu em todo o seu esplendor. Com a certeza de que o progresso e o mau uso da tecnologia causaram a destruição do mundo, os governantes de Cosmus proibiram a propagação do conhecimento, abolindo os livros e as escolas. É nesse cenário que se passa a história de Petrus Logus, o Guardião do Tempo, lançamento da Editora Saraiva e estreia de Augusto Cury na literatura juvenil.

No centro da trama está Petrus, filho do rei Apolo, soberano de Cosmus, um jovem apaixonado pelo conhecimento e sem talento para lutas e embates físicos. Educado pelo sábio Malthus para ser um líder justo e generoso, o príncipe começa a questionar o governo do pai, expondo as injustiças sociais e contestando as posições ditatoriais. Seu senso de justiça o leva a conviver com camponeses, algo proibido para um nobre, e no meio daqueles conhece o verdadeiro amor: a jovem Nátila.

Sua atitude contestadora o coloca em situações de risco, já que os conselheiros do rei o vêem como uma ameaça à hegemonia do reino e um rebelde que pode fazer o povo se levantar contra os nobres. E, por questionar uma das decisões tomadas por Apolo, Petrus sofre a maior condenação de Cosmus: é obrigado a vestir a temida Máscara da Humilhação.

A máscara deixa fortes cicatrizes físicas e emocionais no jovem príncipe, mas não o enfraquece. Ao contrário. Para continuar sua luta contra as injustiças, Petrus vai precisar domar uma fera, que mal sabe ele, poderá tanto destruí-lo quanto salvá-lo.

Deixe um comentário