As aventuras, descobertas e conflitos de dois adolescentes que vivem em universos paralelos é o tema central da narrativa. De um lado, no reino fantástico de Cello, um lugar mágico, permeado por feitiços, abóboras, cores que tem vida própria – algumas boas e outras más – e estações do ano que mudam subitamente, vive Elliot Baranski, 15 anos.  

O garoto está à procura de seu pai, desaparecido na mesma noite em que seu tio foi morto. Nas ruas de Cello, correm boatos de que seu pai assassinou o irmão e fugiu com a professora de física, mas o jovem recusa-se a acreditar nesta versão e está determinado a descobrir a verdade.

Em outra realidade, na cidade chuvosa e cinzenta de Cambridge, na Inglaterra, vive a garota Madeleine, que guarda segredo sobre o seu passado misterioso. Madeleine e a mãe fugiram – sob circunstâncias não esclarecidas – da vida rica que levavam ao lado do pai e se instalaram nas extremidades de Cambridge, onde levam uma vida muito simples.

Separados por mundos diferentes, suas histórias se unem com a descoberta acidental de uma fenda que funciona como um portal entre as duas realidades. Ao voltar para casa de bicicleta em um dia qualquer, Madeleine se depara com algo que chama sua atenção: de dentro de um buraco em um parquímetro quebrado, a menina retira uma carta dobrada cuidadosamente com uma mensagem enigmática.  Por meio desta fenda, que há muito tempo não se abria, os protagonistas passam então a se corresponder.

Embora vivendo em realidades diferentes, os dois passam a se ajudar mutuamente, em uma corrida contra o tempo, para desvendar os mistérios que os atormentam antes que seja tarde demais.

Deixe um comentário