Eu estava na penitenciária de Furnace. E ali nem mesmo a morte ousava mostrar a sua face. Mais uma vez a tentativa de fuga de Alex fracassa.  E, agora, a punição que o aguarda é muito – mas muito – mais cruel.

Depois de uma temporada enfurnado na solitária, ele se vê na enfermaria, cercado de Ofegantes. O pior está para acontecer. Alex está para se tornar um deles. Enquanto o sádico diretor bombeia lentamente o néctar para suas veias, Alex vai, aos poucos, se transformando na figura que mais teme: um terno-preto.

Para lutar contra as forças malignas que se apossam de seu corpo, ele precisa se lembrar de quem realmente é e seguir o conselho de seu amigo Garry: nunca esquecer o seu nome. Essa pode ser a única saída para não perder sua identidade.

Mas como escapar dele mesmo, se agora possuía em seu sangue a crueldade de um super-humano de Furnace?

Deixe um comentário