O que pode acontecer quando Morte e Destino brincam com o sentimento mais perigoso? Ahmnat é uma garota egípcia que, após uma vida cheia de turbulências, tristezas e mágoas, assume o cargo de Morte e passa a viver entre este mundo e o além-vida. 

Porém ela não está sozinha. 

Logo conhece Destino, responsável por escrever as vidas mortais, que fica surpreso e abismado ao vê-la no lugar de poderosa entidade. Destino propõe, então, um sádico jogo a Ahmnat: criará dez vidas mortais, humanos bem especiais, para tentar fazê-la se apaixonar por eles. 

Se Ahmnat se apaixonar por qualquer um, ela volta para a Terra como mortal novamente, dando a oportunidade de Destino reescrever sua vida. Caso contrário, será Destino quem se tornará mortal, permitindo que Morte venha buscá-lo pessoalmente.
"Não existia mais raiva, ódio ou vontade de me vingar. Eu não era mais eu mesma, era apenas uma casca vazia usada para satisfazer um monstro surgido do nada. Um monstro meu."
"-Esqueça o que elas dizem.Você não precisa de amigas nesta região. E, quanto a se apaixonar, você não saberá, amada filha. Como lhe falei, o amor é uma doença que já existe em você.Existe em todos nós. Quando chegar a hora, ele acontecerá, e você não terá como impedi-lo. É como a morte. Está em todos nós. Quando chegada a hora , ela acontece, fria inevitável."
"Ouvi os gritos de todas as pessoas em meio às chamas que faziam sucumbir seu corpos frágeis. Seu frágeis corpos mortais. Casas, ruas, habitantes de uma civilização poderosa, agora incineravam a meu favor. Queimem desgraçados! Gritem por suas vidas! Sejam vocês os primeiros a sentir meu poder, a ajoelhar em dor diante de mim.'

Deixe um comentário