Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e uma noite, depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, é enviada pela mãe para Shadow Falls – um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa cidade chamada Fallen, no meio de uma misteriosa floresta.

Isso muda sua vida para sempre. Poucas horas depois de chegar, ela descobre, assustada, que seus colegas não são apenas “problemáticos”. Kylie nunca se sentiu normal, mas também não se considera como uma daquelas aberrações paranormais.

Ou será que ela é? Em Shadow Falls, vampiros, lobisomens, metamorfos, bruxas e fadas aprendem juntos a desenvolver seus poderes, controlar sua magia e viver no mundo normal. No entanto, as coisas tomam um rumo diferente quando dois carinhas interessantes entram em cena.

Derek, um fae que possui poderes mágicos, quer a todo custo ser seu namorado e Lucas, um lobisomem com quem ela partilha um passado secreto. De início, tudo o que Kylie deseja é sair de Shadow Falls e voltar para casa. Porém, com Derek e Lucas ocupando um lugar cativo em seu coração e depois de descobrir que ela própria tem estranhos poderes, talvez sua vida nunca mais volte a ser a mesma...
Só agora entendia o sentido da frase “A ignorância é uma benção”. Queria continuar ignorante. Não queria ver, não queria acreditar.
                                                                ---------
Não estou dizendo que ele agiu de forma correta. Ou que é perfeito. Mas ele te ama, querida. Mesmo sem ter essa obrigação.
                                                                ---------
– Por quê? – perguntou outra vez. – Por que estou aqui?
Holiday sentou-se ao seu lado.
– Você é especial, Kylie.
– Não quero ser especial – disse Kylie, sacudindo a cabeça. – Quero ser apenas eu... eu normal. E..., para ser bem honesta com você, acho que estamos cometendo um erro aqui. [...]
Kylie passou a mão no rosto a fim de apagar a evidência das lágrimas e se esforçou ao máximo para fazer a pergunta sobre a qual vinha tentando não refletir desde que tudo havia começado.
– E eu, o que sou?


Um Comentário