Para uma adolescente, trocar de cidade pode ser um trauma. Para Suzannah, a mudança de Nova York para Califórnia está sendo ótima: novos amigos, muitas festas e dois caras bonitões e muito interessantes. Só que um deles é um fantasma.

E o outro pode matá-la. Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de se comunicar com os mortos e resolver as pendências deles na Terra. A velha casa para onde se mudou com a mãe e o padrasto é assombrada por Jesse, um fantasma jovem e gentil.

Como Jesse não liga muito para ela (e, além do mais, está morto), Suzannah se entusiasma com o interesse de Tad Beaumont, o garoto mais cobiçado da cidade. Mas o fantasma de uma mulher, cujo assassinato pode ter relação com um mistério no passado de Tad, a atormenta.

E a vida de Suzannah pode estar ameaçada. Ser adolescente é complicado. O que dizer de uma garota que precisa dividir sua atenção entre a própria vida e a morte dos outros?

Foi quando eu percebi que, apesar do quanto eu vinha tentando não me apaixonar por ele, não estava fazendo um trabalho muito bom.”  

Eu posso estar morto há cento e cinquenta anos, Suzannah, mas isso não significa que não saiba como as pessoas se despedem. E em geral quando as pessoas se despedem cada um fica com a língua na própria boca.

- Sabe o que você está parecendo? - perguntei, virando-me embaixo da escada que dava na varanda, para encará-lo. - Parece um namorado com ciúme.
- Nombre de Dios. Não - disse Jesse com um riso. - Ciúme daquele…
” 


Você não tem de tentar fazer com que eu me sinta melhor. Tudo bem. Eu passei a aceitar. Há umas coisas que simplesmente não dá para mudar.

Deixe um comentário